Category: Blog

Os benefícios do outsourcing de Service Desk para as PMEs

As pequenas e médias empresas têm como uma das metas mais importantes cortar custos e manter a qualidade dos serviços . Esse é um desafio que exige muito planejamento e boas escolhas, como o outsourcing de service desk.

Afinal, é imprescindível ter um foco no que realmente é necessário para uma corporação, independentemente do tamanho, atingir bons resultados nas vendas. Ter um parceiro estratégico no segmento de Tecnologia da Informação (TI) é fundamental para as PMEs terem um ambiente favorável para executar os serviços dentro das melhores práticas de mercado.

Neste artigo, vamos detalhar vários fatores que abrangem a contratação de service desk por companhias de pequeno e médio porte. Confira!

O que é Service Desk?

Essa prática pode ser considerada uma evolução do famoso help desk, responsável pelo atendimento de primeiro nível em que as demandas são mais simples e resolvidas por um apoio remoto de um técnico.

No caso do service desk, o atendimento envolve situações que exigem do profissional de TI um bom nível de conhecimento, porque as solicitações de suporte não são resolvidas com extrema facilidade. Em outras palavras, é necessário um domínio diferenciado para prestar um serviço adequado.

Dependendo da situação, o service desk também pode funcionar com uma consultoria de TI. Nela, a empresa recebe orientações sobre como investir em tecnologia para otimizar o atendimento ao público-alvo.

Esse ponto mostra como é relevante o outsourcing de service desk ser uma medida de estratégica, para uma empresa atuar de maneira mais ágil e direcionada para atingir as expectativas dos clientes.

Qual a importância do Service Desk para as PMEs?

O setor de TI tem um papel cada vez mais impactante para o bom desempenho no mundo corporativo. Esse aspecto cria a necessidade de o gerenciamento dos serviços tecnológicos ter um elevado grau de profissionalismo e de eficiência.

No caso das pequenas e médias empresas, criar uma equipe interna de Tecnologia da Informação pode ser um grande risco por diversos motivos. Um deles é a dificuldade de oferecer recursos adequados para esses profissionais em virtude dos elevados custos com sistemas e infraestrutura de rede.

O segundo é que alguns profissionais de TI enfrentam dificuldades de acompanharem as melhores práticas do setor. Ao investir em outsourcing de service desk com inteligência, uma organização tem mais possibilidades de usar a tecnologia para interagir da melhor forma possível com os consumidores.

Essa iniciativa também evita que um empreendedor perca tempo em avaliar quais são as melhores ferramentas para os serviços de TI seguirem boas práticas. Afinal, essa responsabilidade passa a ser exclusiva da empresa contratada.

É muito importante contar com o outsourcing de service desk, porque é possível que as PMEs obtenham uma série de vantagens com essa prática, como:

  • Comunicação mais eficiente e clara com os clientes;
  • Redução dos impactos negativos em eventuais falhas de serviço;
  • Expansão da produtividade dos empregados por causa do suporte mais adequado;
  • Mais organização das demandas de TI da empresa;
  • Melhoria da imagem corporativa ao adotar boas práticas de atendimento para o público interno e o externo.

Como funciona o Outsourcing de Service Desk?

Para essa recurso ser utilizado de maneira correta, é fundamental que haja uma boa gestão das atividades de TI. No caso do Service Desk, a equipe recebe as demandas que são organizadas de acordo com data de chegada e o nível de prioridade.

Esse setor é acionado para atender situações que se caracterizam pela complexidade, como problemas em aplicativos, softwares de segurança, infraestrutura de TI, mau funcionamento de hardwares, entre outros.

Em geral, é informado ao demandante um prazo para o atendimento ser finalizado. Essa iniciativa é recomendada para mostrar uma boa comunicação e um comprometimento na resolução do problema.

Podem ser usados sistemas para o cliente interno ou externo avaliarem a qualidade dos serviços prestados. Esse indicador é interessante para uma companhia constatar os resultados do investimento em outsourcing de service desk.

Quais os benefícios do Outsourcing de Service Desk para as PMEs?

Uma gestão de TI deve ser pautada pelo profissionalismo e pelas melhores práticas. Adotar esse princípio é o mínimo que o empreendedor deve fazer para uma empresa ser mais competitiva. Pensando nisso, vamos apontar elementos que justificam investir em outsourcing de service desk. Acompanhe!

Redução de Custos

A contratação de funcionários para a montagem de uma equipe interna de TI gera um custo bastante elevado. Além disso, a companhia tem o risco de escolher profissionais que não estão devidamente gabaritados para suprir as demandas do público-alvo.

Também vale ressaltar que a terceirização dos serviços de TI evita que as PMEs tenham despesas relativas a softwares relacionados com a segurança da informação, o que contribui para administrar melhor o orçamento.

Mais segurança

Uma vantagem marcante de outsourcing de service desk abrange a possibilidade de adotar mecanismos mais eficientes para combater as tentativas de cibercriminosos de roubarem dados corporativos.

Um vazamento de informações de clientes causa sérios prejuízos, como a perda da credibilidade e a redução de vendas em alguns casos. Ter um ambiente mais seguro se torna uma tarefa bem mais viável ao contar com serviços especializados.

Atendimento ágil

À medida que uma empresa conta com um atendimento de alto qualidade em TI, maiores são as possibilidades de as demandas serem resolvidas de maneira rápida e com extrema eficiência. Essa é uma das razões que colaboram para o outsourcing de service desk ser uma alternativa cada vez mais atrativa para as PMEs.

Foco no core business

Em um cenário de elevada competitividade, as companhias não podem se dar ao luxo de perder tempo com o que não faz parte da carteira de serviços. Em outras palavras, é preciso ter foco no que realmente vai chamar a atenção do público-alvo para vender mais e fortalecer a presença no mercado.

Por isso, é positivo contar com um suporte de TI que permita ao empreendedor ter um olhar mais atento para elaborar estratégias de vendas e de melhoria contínua dos produtos e serviços disponibilizados.

Atendimento especializado

Ao apostar na terceirização de TI, uma empresa tem mais garantias de contar com um atendimento altamente especializado. Uma das vantagens é que as demandas receberão um tratamento mais específico e serão resolvidas com agilidade.

Para aproveitar, de forma plena, os benefícios do outsourcing de service desk, vale a pena conhecer os serviços realizados pela iamit, que atua com foco em oferecer aos clientes as soluções mais avançadas no segmento de Tecnologia da Informação.

Se está em busca de resultados mais expressivos, agente uma reunião conosco. Estamos à disposição para tirar todas as suas dúvidas sobre o nosso suporte de TI.

O que é Patch e por que as PMEs devem gerenciá-lo

Uma das maiores preocupações do mundo corporativo envolve a segurança da informação. Afinal, qualquer problema relacionado com o vazamento e o roubo de dados pode causar prejuízos financeiros e de imagem para uma empresa, independentemente do porte. Esse fator justifica o esforço de muitos empreendedores para entender o que é patch.

Atualmente, é inadmissível uma companhia optar por softwares desatualizados, ou seja, que não passaram por nenhum processo de correção. À medida que um sistema não é atualizado periodicamente, maiores são os riscos de invasão e de acessos indevidos. Isso é um aspecto que deve ser levado em consideração principalmente pelas PMEs.

Neste artigo, abordaremos diversos itens relacionados sobre a importância de patch para uma organização minimizar as possibilidades de ter problemas provocados por ataques virtuais. Confira!

O que é Patch?

Ao contrário do que muitos pensam, um patch não é realizado somente para corrigir um software. Esse recurso também serve para aperfeiçoar a usabilidade e a performance de um sistema. Dependendo do caso, é possível até modificar as regras de um game.

Resumindo, os patchs são capazes de realizar diversas mudanças em um software. Isso deve ser observado com bastante atenção pelos gestores de pequenas e médias empresas os responsáveis pelo departamento de TI.

É preciso não apenas acompanhar o calendário de atualizações, mas também verificar como elas estão impactando o funcionamento de um sistema. Mesmo que o patch tenha como finalidade corrigir problemas, é possível surgir imprevistos como ativar novamente um bug.

Em algumas situações, o patch pode prejudicar o desempenho de uma funcionalidade. Isso faz com que o software não tenha condições, por exemplo, de executar uma tarefa que era realizada anteriormente com facilidade.

Ao assimilar de maneira correta o que é patch, uma companhia está mais preparada para analisar como modificações em sistema podem trazer benefícios e eventuais problemas para o trabalho e o relacionamento com os clientes.

O ideal é que haja um planejamento para as atualizações e as correções de um software não prejudicarem a rotina da instituição. Também é recomendado contar apenas com sistemas licenciados. A medida é uma forma de garantir o suporte do fabricante, caso haja eventuais imprevistos relacionados com a atualização de uma ferramenta.

É importante destacar que o patch é uma alternativa ágil e econômica para a correção de sistemas. Ou seja, é uma iniciativa que contribui para as PMEs economizarem recursos financeiros ao investir em boas soluções de TI.

Nem sempre é possível investir em um novo software que, em alguns casos, pode conter mais funcionalidades do que uma corporação necessita. Ter isso em mente é crucial para a aplicação de recursos em Tecnologia da Informação ser estratégica e inteligente.

Qual é a importância do Patch para as empresas?

É muito bom ter uma noção sobre o que é patch, mas isso não é o suficiente para colocá-lo em prática nas empresas. Uma das razões é a necessidade de conhecer os perigos de não adotar esse procedimento de maneira adequada no seu negócio.

Vale lembrar que os hackers têm métodos cada vez mais sofisticados para invadir sistemas corporativos. Em outras palavras, eles são capazes de identificar falhas que, na maioria dos casos, não são percebidos pelos usuários.

À medida que um software apresenta um alto nível de vulnerabilidade, maiores são as chances de ser invadido por cibercriminosos. É uma situação bastante perigosa e que exige muita atenção principalmente no caso das PMEs.

Afinal, elas nem sempre contam com recursos avançados de segurança da informação. Por esse motivo, devem estar muito atentas ao uso de patches. Assim, há um risco menor de serem prejudicadas por hackers.

Com a transformação digital, muitas companhias estão investindo pesado em tecnologia. Embora a medida seja louvável por proporcionar mais produtividade e agilidade na relação com os consumidores, é necessário ter muito cuidado com os riscos.

Por falta de atualização em um sistema, uma companhia pode ser vítima de ransomware que consiste em um ataque virtual com sequestro de dados, responsável por impedir o acesso a sistemas corporativos.

Ficar horas ou até dias sem ter acesso a um software é algo muito ruim para qualquer empresa. Em um cenário de alta competitividade, ignorar a necessidade de patches em sistemas é um erro grosseiro e que deve ser evitado ao máximo.

Por isso, é válido ter um relacionamento próximo com o fornecedor de software para que o calendário de correções e atualizações seja acompanhado de maneira correta.

Muitos hackers aproveitam a necessidade de correção de bugs para tentar enganar as pessoas por meio de golpes, como o phishing scam. Esse fator mostra como boas práticas de segurança da informação são indispensáveis para as PMEs.

Por que as PMEs devem realizar o gerenciamento de Patches? 

Entender o que é patch é um passo importante para uma empresa estar mais segura. Por outro lado, é relevante fazer uma gestão adequada desse recurso. Isso porque contar com sistemas atualizados proporciona uma série de benefícios, como:

  • Verificar os softwares com vulnerabilidades mais rapidamente;
  • Corrigir com mais precisão eventuais falhas nos sistemas;
  • Reduzir o risco e o impacto de ataques virtuais;
  • Facilitar o controle e o gerenciamento das atualizações nos programas usados pela empresa;
  • Ter mais conhecimento sobre onde os patches estão sendo aplicados;
  • Escolher o momento ideal para as atualizações, para afetar o rendimento corporativo o mínimo possível.

Para obter essas vantagens, um empreendedor deve reconhecer que a gestão de patches precisa ser feita dentro das melhores práticas. Afinal, envolve uma série de decisões que impactam a produtividade.

Não basta contar com o software mais atualizado, pois o mais relevante é avaliar qual a versão é a mais adequada no momento, considerando as necessidades da companhia. Essa ação deve ser feita com bastante bom senso, pois precisa levar em conta a segurança da informação.

É vital compreender o que é patch e ter em mente como aplicar esse recurso de forma correta. Uma decisão equivocada sobre o uso dessa prática pode causar sérios problemas para uma empresa, como paralisação das atividades em virtude de ataque virtual, além da perda de dinheiro e clientes.

Se está em busca de mais informações sobre como administrar patches, entre em contato com a equipe da iamit. Estamos à disposição para ajudar o seu negócio a ser mais eficiente e seguro!

Microsoft Azure e segurança em cloud computing: entenda essa relação

A sua empresa conta com uma plataforma de serviços na nuvem e se preocupa com seus recursos de segurança em cloud computing? Essa é uma característica estratégica essencial de organizações que buscam se destacar da concorrência.

As mudanças tecnológicas, aliadas às recentes situações sociais extremas, como a pandemia, causaram um abalo na estrutura corporativa do mundo todo.

Se por um lado era necessário se manter tecnologicamente competitivo, por outro foi preciso se ajustar às transformações sociais.

Tudo isso fez crescer o uso de plataformas, como o Microsoft Azure, e ressaltar temas vitais, como a segurança em cloud computing.

No entanto, essa preocupação deve vir antes de tomar qualquer decisão de negócio. Ou seja, antes de adotar todo uma estrutura de soluções multi-cloud.

É preciso um olhar afiado para as opções do mercado, buscando afunilar as alternativas e escolher àquela que melhor sirva às demandas do seu negócio.

E isso não é uma mera afirmação:

De acordo com o estudo The State of Cloud Security 2020, da Sophos, organizações que apostam no multi-cloud reportam mais problemas de segurança que àquelas que centralizam suas operações em uma única plataforma.

É por isso que plataforma consolidadas, como o Microsoft Azure, são destaque no tema.

Além disso, são as opções mais seguras para quem busca uma infraestrutura na nuvem escalável e repleta de recursos.

Que tal entender mais sobre a relação do PaaS da Microsoft com a segurança em cloud computing, e como pode ajudar o seu negócio nos desafios do dia a dia? 

Continue a leitura!

Segurança em cloud computing: uma necessidade

Que a segurança em cloud computing é um dos pilares estratégicos de negócios bem-sucedidos, você já sabe. No entanto, nunca é demais ressaltar sua importância.

Hoje, a utilização de infraestruturas baseadas na nuvem é quase unânime. Soluções novas surgem a cada dia, ampliando o leque de soluções disponíveis.

Para as empresas, como a sua, é um prato cheio no que diz respeito à inovação.

No entanto, cada nova solução é também uma brecha em potencial. E isso é algo que acontece para a maioria das plataformas.

O problema é que as ciberameaças estão de olho nessas brechas.

E sem mecanismos de proteção adequados, atualizados e competentes, seu negócio certamente irá sofrer.

Problemas simples, como a falta de configuração de seus serviços cloud, podem ser o suficiente para sentir esse impacto.

Ainda de acordo com o The State of Cloud Security 2020, 60% das empresas registraram ataques provenientes dessas simples brechas.

É por isso que a escolha pela melhor plataforma é uma decisão tão importante.

Os dados que circulam pela sua infraestrutura na nuvem, em geral, compõem todos os níveis de importância estratégica. Vazamentos, invasões e sequestros desses ativos podem, portanto, ocasionar danos irreversíveis.

É por isso que empresas que querem se garantir, assegurando a segurança em cloud computing, estão optando pelo Microsoft Azure.

O que é o Microsoft Azure?

O Microsoft Azure é uma plataforma de serviços na nuvem, que também possui recursos de infraestrutura e aplicativos.

Trata-se de uma solução completa, ampla e que compõe a estrutura na nuvem das empresas, de fim a fim. Claro, ainda é uma plataforma personalizável: você pode adotá-la conforme suas necessidades, sob medida para o que precisa.

Porém, o Microsoft Azure conta com serviço de dados integrados, soluções de análise avançada e ferramentas para desenvolvedores.

Tudo hospedado nos data centers da própria Microsoft, uma das maiores empresas de tecnologia do mundo. Mas também pode ser instalado nos data centers do cliente, conforme for melhor.

O Azure é uma solução completa pois se encaixa em diversos cenários:

Dos mais simples, que exigem apenas computação básica, rede e armazenamento, aplicativos Web e móveis.

E mesmo em situações mais complexas, em cenários de alto risco, como enormes ecossistemas de cloud computing, que devem suportar soluções de IoT, por exemplo.

Qual a relação do Microsoft Azure com a segurança em cloud computing?

Com o Microsoft Azure, sua empresa possui acesso à tecnologia cloud na forma de blocos de construção.  Assim, é possível escalar rapidamente sua operação, contribuindo para a inovação e economia de custos.

Dessa forma, sua TI é capaz de gerenciar os sistemas de forma aprofundada e proativa.

Tudo isso proporciona um altíssimo nível de segurança em cloud computing para seus ativos migrados — dados, aplicativos, serviços e produtos.

Há serviços próprios do Azure que complementam essa gestão de dados da nuvem, blindando-os. Um deles é a Central de Segurança do Azure.

O sistema de gerenciamento de segurança de infraestrutura unificado protege sua infraestrutura de ponta a ponta, atuando nos seguintes desafios:

  • Habilidades de segurança escassas.
  • Ataques cada vez mais sofisticados;
  • Cargas de trabalho que mudam rapidamente;

A Central também pode atuar em ambientes híbridos, de forma que integra facilmente soluções de parceiros no Microsoft Azure.

Mas como, na prática, o Microsoft Azure assegura a segurança em cloud computing nessas situações?

  • Fortalecendo a postura de segurança de forma autônoma, lhe informando um status de cada um dos recursos.
  • Protegendo contra ameaças, avaliando os workloads, alertando contra ameaças e sugerindo ações de prevenção.
  • Proporcionando segurança de forma mais ágil, “na velocidade da nuvem”, com provisionamento automático com serviços da plataforma.

iamit: especialista em Microsoft Azure e parceira da sua estratégia de segurança na nuvem

A escolha do provedor de nuvem não é simplesmente escolher um fornecedor. É uma decisão estratégica de negócio, que deve ser analisada com base em critérios técnicos.

E é por isso que o Microsoft Azure é um dos preferidos das principais empresas do mundo — e o motivo pelo qual a iamit trabalha com a plataforma.

Não à toa, mais de 66% das empresas da Fortune 500 confiam no Azure.

A plataforma assegura tamanho nível de serviço através de SLAs de ponta, que garantem suporte técnico 24×7 e monitoramento 24 horas.

É a solução mais completa e preparada para servir de pilar para sua infraestrutura na nuvem, contribuindo diretamente para a segurança em cloud computing.

Que tal dar um passo além e contar com o Microsoft Azure no seu negócio? Converse com a iamit!